Tributação em fundo de ações: tire suas dúvidas

Gustavo Heldt

A tributação em fundos de ações pode ser considerada um diferencial desse tipo de investimento.

No fundo de ações, você paga uma alíquota de 15% de Imposto de Renda sobre o rendimento apenas no resgate, sem o temido come-cotas ou o famigerado IOF.

Ah, e se você ainda não sabe o que são esses dois termos aí de cima, come-cotas e IOF, não se preocupe.

Nas próximas linhas, vamos tirar todas as suas dúvidas sobre a tributação em fundos de ações, as diferenças para outros fundos e como se planejar para investir melhor em renda variável — sempre de olho no longo prazo e na diversificação do portfólio.

Como é a tributação em fundo de ações

Nos tópicos abaixo, você vai entender como funciona a tributação em fundo de ações para planejar o seu investimento. Acompanhe:

IOF 

IOF é a sigla para Imposto sobre Operações Financeiras. Nos fundos de ações, esse imposto não se aplica. 

Trata-se de uma vantagem da modalidade, já que o IOF incide com alíquotas regressivas (e agressivas) na maioria dos fundos de investimentos para resgates realizados em menos de 30 dias.

Imposto de Renda

Outro fator que deve ser levado em conta na tributação do fundo de ações é o Imposto de Renda. 

Na tributação dos fundos de ações, o IR é fixo em 15% sobre os rendimentos, independentemente do prazo da aplicação, e é cobrado a cada resgate de cotas do fundo.

Come-cotas 

Entre as vantagens da tributação do fundo de ações, também se destaca a ausência de come-cotas. 

Esse mecanismo incide em outros fundos e consiste na antecipação do recolhimento do Imposto de Renda, que é realizada duas vezes por ano. 

A cobrança interfere na rentabilidade da aplicação por reduzir o número de cotas do investidor. No fundo de ações, esse prejuízo não ocorre, para alegria do investidor.

Tributação é vantagem do fundo de ações 

Como você acabou de descobrir, o fundo de ações apresenta vantagens quanto à tributação. 

Entre elas, está a ausência de come-cotas e de IOF.

Ambas as cobranças, quando incidem em outros tipos de fundos, prejudicam a rentabilidade da aplicação. No fundo de ações, o investidor não precisa se preocupar com esses fatores.

Outro benefício é a alíquota fixa em 15%. Trata-se de um dos menores percentuais de Imposto de Renda que você vai pagar no mercado financeiro, com exceção da previdência privada, que alcança 10% após 10 anos.

Considerando um fundo de renda fixa com foco no longo prazo, por exemplo, as alíquotas são as seguintes:

  • Prazo até 180 dias: 22,5%
  • De 181 a 360 dias: 20%
  • De 361 a 720 dias: 17,5%
  • Acima de 720 dias: 15%.

Na prática, quer dizer que o investidor, ao aplicar em fundo de ações, sempre vai pagar a menor alíquota, não importando o prazo do investimento até o resgate das cotas. 

Esse benefício permite que, no fim das contas, a aplicação seja mais lucrativa.

Tributação em fundo de ações x venda de ações 

É importante não confundir a tributação em fundo de ações com a tributação relativa à venda de ações negociadas individualmente na bolsa de valores

Conforme vimos, no caso dos fundos, a alíquota de Imposto de Renda é sempre de 15% sobre os rendimentos no resgate das cotas.

Já na venda de ações, a alíquota varia: 15% para operações comuns e 20% para operações em day trade.

Dessa cobrança, vale lembrar: em operações normais, o imposto retido na fonte é de 0,005% do lucro e, em operações day trade, o imposto retido na fonte é de 1% do lucro. 

Na hora de pagar a DARF com os valores devidos, até o último dia do mês seguinte, o investidor deve descontar do recolhimento essas alíquotas já pagas.

Isenção de tributação em ações

Além disso, há isenção de IR nas vendas de ações até um volume total de R$ 20 mil mensais para operações comuns. 

Então, se em um mês você vendeu R$ 19 mil em ações, por exemplo, não precisa pagar o imposto, mesmo que tenha obtido lucros com as negociações.

Cabe frisar, no entanto, que a isenção não vale para vendas de ações no day trade. Nesse caso, as operações são sempre tributadas, independentemente dos valores negociados.

Além da tributação em fundo de ações, avalie as taxas

Agora que você já sabe como funciona a tributação em fundo de ações, precisa avaliar as taxas que envolvem esse tipo de investimento.

Normalmente, os fundos de ações no Brasil contam com uma cobrança de taxa de administração de 2% ao ano (sobre o valor total aplicado) e de 20% de performance (sobre o que exceder do benchmark, o índice Bovespa na maior parte dos casos).

Vale considerar, nessa hora, que as rentabilidades apresentadas pelos fundos diariamente, mensalmente e anualmente já são líquidas de todas as taxas. 

Ou seja, se você vê que o fundo Alaska, o fundo Forpus ou o Equitas Selection teve valorização de 15% em um mês, a rentabilidade já está descontadas das taxas cobradas, tanto a de administração quanto a de performance.

Só não está ali no resultado do fundo de ações a tributação e o Imposto de Renda devido, que vai variar de acordo com o aporte e o resgate, já que incide apenas sobre o rendimento do período.

Entendeu como a tributação de um fundo de ações pode ser sua aliada nos investimentos? 

Por aqui, acreditamos que esse tipo de fundo é excelente para quem deseja começar a se expor à renda variável.  E se quiser entender como analisar um fundo de ações antes de fazer o primeiro aporte, dê uma olhadinha no nosso guia.

Com ele, você delega recursos e decisões a um gestor profissional e experiente, que procura as melhores oportunidades do mercado e é remunerado por seu desempenho.

Se você curtiu as dicas do artigo, compartilhe nas suas redes. Siga navegando pelo blog para ler outros conteúdos educativos sobre investimentos para cuidar da sua vida financeira com a atenção que ela merece.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *