IOF em fundos de investimento: qual é o impacto?

Gustavo Heldt

Você sabe como funciona o IOF em fundos de investimento? Ficar atento a esse imposto é primordial na hora de planejar as suas aplicações. Afinal, se você não considerar a cobrança, a rentabilidade pode ser comprometida no curto prazo.

Dito de forma breve, o IOF é um imposto que incide em resgates nos primeiros 30 dias de aplicação em fundos de investimento. E, como uma vilã dos fundos, essa tributação tem uma tabela agressiva e regressiva, que parte de 96% de todo o rendimento.

Neste artigo, explicamos o que é o IOF em fundos de investimento, como funcionam as alíquotas e como garantir a melhor rentabilidade. Confira.

O que é o IOF nos fundos de investimento

IOF é um imposto cobrado nos fundos de investimento no Brasil. Trata-se do Imposto sobre Operações Financeiras, que também incide sobre crédito, câmbio e seguros.

Nos fundos de investimentos, o IOF só é cobrado em caso de resgate em menos de 30 dias. A alíquota começa em 96% para resgates em um dia até ser isenta em resgates a partir de 30. E ela incide apenas sobre os rendimentos do período.

Impacto do IOF nos fundos de investimento

A cobrança de IOF tem um impacto significativo na rentabilidade das aplicações, sobretudo em resgates do fundo em poucos dias. Para entender melhor como funciona na prática, vamos a um exemplo simples.

Imagine que você fez uma aplicação em um fundo e obteve um ganho de R$ 100 em 15 dias. Fechado esse período, você faz o resgate. A alíquota para 15 dias de aplicação é de 50% e, conforme vimos, incide apenas sobre os rendimentos. Então, na prática, você vai ter lucro de apenas R$ 50, pois a outra metade do valor será destinada ao pagamento do IOF.

Percebe como o imposto afeta a rentabilidade? Em termos financeiros, pode parecer estranho, portanto, aplicar dinheiro em fundos de investimento em períodos inferiores a um mês.

O problema é que não há para onde correr. Quase todos os investimentos imagináveis contam com a incidência do IOF para resgates inferiores a 30 dias. Opções como CDB com liquidez diária, Tesouro Selic, fundo de Tesouro Selic, fundo DI, fundo… Tudo tem IOF, seguindo a mesma tabela agressiva e regressiva.

E para quem está lembrando de LCI e LCA, infelizmente, não adianta. A LCA não teria IOF, mas, na prática, não existem opções com resgate em prazo inferior a 30 dias.

Portanto, vale a pena salientar: como você não consegue fugir do IOF em fundos de investimento e aplicações de curtíssimo prazo, melhor se render a ele. O resultado será melhor do que a poupança (que não remunera antes de um mês) e do que deixar o dinheiro parado na conta do banco (além de render zero, perde poder de compra com a inflação).

Para finalizar esse capítulo do artigo, seguem as recomendações de investimento para o curtíssimo prazo, inferior a 30 dias: fundos de renda fixa sem crédito privado, fundos de Tesouro Selic sem taxa de administração, títulos do Tesouro Selic e CDBs com liquidez diária e 100% do CDI.

Tabela do IOF nos fundos de investimento

Agora que você sabe o que é IOF em fundos de investimento e como ele impacta a rentabilidade, é hora de conhecer as alíquotas cobradas. A tabela, como já vimos, é regressiva e agressiva 😉

Isso significa que as alíquotas partem lá do alto e vão caindo ao longo do tempo, até chegarem a zero. A seguir, confira a tabela do IOF e as alíquotas respectivas para cada período de resgate:

Número de dias após a aplicaçãoAlíquota de IOF em %Número de dias após a aplicaçãoAlíquota de IOF em %
1961646
2931743
3901840
4861936
5832033
6802130
7762226
8732323
9702420
10662516
11632613
12602710
1356286
1453293
1550300

Fundo de investimento em ações tem IOF?

Cabe frisar que nem todos os fundos de investimento têm cobrança de IOF. É o caso dos fundos de ações. Neles, o imposto não é cobrado, independente do período até o resgate.  A isenção do IOF também vale para os fundos de previdência privada. 

De qualquer forma, um resgate no curtíssimo prazo não é recomendado. Afinal, quanto mais tempo o capital permanece aplicado, maior é a incidência dos juros compostos, responsáveis por acumular patrimônio

E, conforme veremos no tópico a seguir, prazos maiores também garantem alíquotas menores de Imposto de Renda.

Além do IOF nos fundos: Imposto de Renda também afeta o investimento

Além do IOF nos fundos de investimento, é importante ficar atento à cobrança de Imposto de Renda. As alíquotas também seguem uma tabela regressiva (muito menos agressiva), de acordo com a categoria em que o fundo se enquadra: de curto prazo ou de longo prazo. 

Em fundos de curto prazo, a tabela é composta por duas alíquotas:

  • Até 180 dias: 22,5%
  • Acima de 180 dias: 20%.

Já em fundos de longo prazo, as alíquotas são as seguintes:

  • Até 180 dias: 22,5%
  • De 181 a 360 dias: 20%
  • De 361 a 720 dias: 17,5%
  • Acima de 720 dias: 15%.

Então, como você pode ver, quanto maior é o prazo da aplicação, menos impostos são pagos ao fazer o resgate dos fundos de investimento. Dessa forma, você protege a rentabilidade e a valorização do seu dinheiro.

E aí, entendeu como funciona o IOF em fundos de investimento? Gostou das dicas? Compartilhe este artigo e confira outros conteúdos exclusivos do blog.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *