Investimento para viagem: como organizar as finanças e decolar

Quer fazer investimento para viagem? De fato, esse é um excelente destino para o seu dinheiro.

Afinal, com foco na jornada a seguir, fica muito mais fácil ter motivação e disciplina para lidar com as finanças.

Assim como as viagens, os investimentos também exigem planejamento. Você precisa de um olhar de longo prazo para organizar as contas, alocar os recursos de maneira coerente e reforçar seu patrimônio para poder, depois, curtir a jornada. 

Para ajudar na tarefa, elaboramos este guia com as melhores recomendações de investimentos para viagem, desde o planejamento até os gastos no destino. Ficou curioso? Então, acompanhe o artigo e anote as dicas.

Investimento para viagem: por onde começar

Seu investimento para a viagem começa antes da escolha de uma aplicação financeira. Veja quais são os primeiros passos:

Organize as finanças 

A primeira dica é organizar as finanças. Sem controle rígido do orçamento, fica difícil conhecer a relação entre renda e despesas. E aí, também não dá para investir. Para uma organização eficaz, vários aplicativos ajudam no registro de entradas e saídas. 

É o caso do Guiabolso, que permite categorização automática de gastos, dicas personalizadas de finanças e planejamento de despesas mensais. A vantagem é que, dessa forma, você tem acesso ao orçamento a qualquer momento pelo celular.

Comece a poupar

Em seguida, comece a poupar. Avalie criteriosamente o orçamento para identificar gastos que podem ser reduzidos e eliminados. Para isso, avalie quais são as suas prioridades  — e entre elas deve estar a viagem. 

Com essa estratégia, você vai perceber uma economia no fim do mês para formar a poupança. Disciplina financeira é a palavra-chave para ter sucesso nesse desafio.

Mire o longo prazo

Quando falamos em investimento, é imprescindível ter objetivos de longo prazo. Afinal, as longas janelas temporais são aquelas que geram rendimentos mais altos com a incidência dos juros compostos. 

Isso não significa necessariamente planejar uma viagem para daqui a anos. Você pode fazer uma viagem no curto prazo se tiver dinheiro suficiente para, além dela, investir um percentual da renda. Mas mirar no longo prazo é a garantia de que você vai poder viajar mais no futuro justamente devido à alta rentabilidade das aplicações.

Monte reserva de emergência

Outra dica é formar um colchão financeiro: uma reserva de emergência equivalente a pelo menos 6 meses do custo de vida. Esse dinheiro deve ser usado apenas para imprevistos  — como despesas médicas, por exemplo.

A grande vantagem é que, em uma emergência, você não vai ter que retirar dinheiro as aplicações de longo prazo, mantendo a rentabilidade intacta. 

Para criar a reserva, o ideal é investir em fundos de Tesouro Selic com taxa zero de administração. Há várias opções em corretoras como BTG, Pi e Órama.

Trata-se de uma maneira prática e barata de investir nos títulos mais seguros do mercado, com resgate diário.

Estabeleça suas próximas metas

Com a reserva de emergência e o foco no longo prazo, você já pode definir as próximas metas. Aqui a ideia é fazer planos de viagem. Registre no papel quais são as viagens que você deseja fazer por ordem de prioridades e pesquise o valor médio que elas demandam. 

A partir desse mapeamento, crie suas metas para ter mais motivação ao gerenciar as finanças.

3 dicas de investimento para viagem

Nos tópicos abaixo, descubra três dicas imprescindíveis quando o assunto é investimentos para viagem:

Use a renda variável a seu favor 

Renda variável é um tipo de investimento que não permite ao investidor saber quanto as aplicações vão render com o tempo. Mas uma coisa é certa: no longo prazo, os investimentos na modalidade tendem a superar muito a renda fixa. O risco também é maior, mas uma estratégia equilibrada permite reduzir as chances de perda.

Há vários investimentos em renda variável que são úteis para o investidor iniciante e com perfil conservador. Entre eles, estão os fundos de investimento, como os de ações e os multimercados. 

A vantagem é que a alocação de recursos é feita por um gestor profissional da instituição financeira que oferece os fundos. Ou seja: você não precisa ter conhecimentos aprofundados em renda variável. Afinal, a partir dos seus objetivos financeiros, o gestor fica responsável por traçar as melhores estratégias e gerenciar os ativos.

Crie um portfólio diversificado

A criação de uma carteira diversificada é outro passo primordial nos investimentos para viagem. É a partir de um portfólio variado que se torna possível minimizar os riscos inerentes às oscilações do mercado e obter rentabilidade maior no longo prazo. 

Principalmente na renda variável, a redução de riscos se torna ainda mais importante. E, para diversificar o portfólio, algumas estratégias são úteis:

  • Investir em ativos de renda variável e fixa
  • Escolher ativos com rentabilidade indexada a diferentes índices econômicos
  • Comprar ativos de diferentes setores da economia
  • Fazer aplicações com foco em curto, médio e principalmente longo prazo.

Invista em fundos de dólar 

Outra dica de investimentos para viagem é fazer aplicações em fundos de dólares. Também conhecidos como fundos cambiais, eles são compostos por ativos financeiros atrelados à moeda estadunidense. Na modalidade, no mínimo 80% do patrimônio é aplicado dessa forma.

Além de diversificar a carteira, a principal vantagem do fundo de dólar é proteger o seu poder de compra, independente da valorização ou desvalorização do real. É, portanto, uma aplicação em renda variável indicada para quem vai viajar para o exterior e não quer ficar refém do cenário econômico.

Um exemplo são os fundos de dólar do BTG Pactual. O banco oferece fundos com investimento inicial a partir de R$ 500, com a vantagem da gestão profissional de ativos. Cabe ressaltar, no entanto, que o câmbio é um investimento com riscos, uma vez que está inserido em um mercado volátil.

Como fazer seu investimento render na viagem 

Depois de conhecer as melhores estratégias de investimentos para viagem, é hora de saber como fazer o seu dinheiro render mais na hora de embarcar rumo a um novo destino. Confira nossas dicas a seguir:

Compare preços de passagens

Economizar na passagem aérea é uma forma de dar bom uso ao dinheiro. A dica é não ter preguiça e comparar preços de bilhetes de diferentes companhias diariamente. Assim, fica mais fácil identificar oportunidades e saber se, de fato, você está fazendo uma compra adequada.

plataformas que ajudam nesse mapeamento: Google Flights, Decolar, Submarino Viagens, ViajaNet, Skyscanner e Melhores Destinos são algumas delas. E vale a pena fazer as buscas em várias ferramentas, porque o preço pode variar. 

Além disso, comprar passagens com antecedência geralmente implica em custos menores. Por isso, fique sempre de olho em promoções.

Cadastre-se nas plataformas de ofertas

Além de usar as plataformas para pesquisar preços, crie um cadastro nelas. Muitas ferramentas enviam alertas quando há passagens em promoção. Dessa forma, você não perde oportunidades para os destinos que estão na sua lista.

Compre a moeda estrangeira aos poucos

Outra recomendação é não comprar a moeda estrangeira de uma única vez. Afinal, o câmbio do dólar, euro outras moedas varia diariamente. Se você comprar todo o montante no mesmo dia, corre o risco de ter que pagar taxas altas. 

Por isso, o ideal é acompanhar a cotação da moeda todos os dias e identificar baixas nos preços. Comprando aos poucos, você vai ter uma economia no fim das contas.

Defina o método para usar o dinheiro no exterior

Definir como você vai usar o dinheiro em uma viagem internacional também é fundamental. Há várias formas de fazer isso:

  • Cartão de débito e crédito internacional
  • Dinheiro em espécie
  • Transferência bancária internacional
  • Cartão de viagem pré-pago.

Os cartões têm cobrança de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) nas transações, mas oferecem maior segurança em relação ao dinheiro em espécie. De modo geral, a transferência bancária tem custos menores, mas nesse caso é necessário ter conta no país de destino. 

Considerando que cada método tem pontos fortes e fracos, o ideal é diversificar as formas de pagamento para aproveitar ao máximo o seu dinheiro na viagem.

Utilize um programa de milhas

A última dica consiste em usar programas de milhas. Oferecidos por operadoras de cartão de crédito, eles podem ser seus grandes aliados na hora de comprar passagens e diárias em hotéis e alugar veículos para transporte no destino. 

As milhas podem ser trocadas por vantagens e descontos nessa esfera, o que significa mais dinheiro para você curtir a viagem. Por isso, verifique se o seu cartão de crédito oferece um programa de milhagem. Vale até mesmo pesquisar outros cartões do mercado e comparar os benefícios de cada programa.

Dessa forma, realizar compras no cartão se torna mais uma forma de investimento para viagem.

Lembre-se: viagem é investimento 

Com todas as dicas que você viu até aqui, já dá para começar o planejamento a fim de explorar o mundo. E não há forma mais proveitosa de cuidar do seu dinheiro. Viagem é investimento.

Você já deve ter ouvido a seguinte frase: “viajar é a única coisa onde se gasta dinheiro e fica mais rico”. Pois é, ela é verdadeira.

Ao explorar lugares e culturas diferentes, o viajante obtém experiência de vida e bagagem  — não a que você leva na mão, e sim aquela que forma o seu repertório como pessoa. Então, investir o dinheiro para viajar é, na verdade, uma maneira de investir em você mesmo e no seu futuro.

Mas, para poder embarcar rumo a novos rumos, não se esqueça do planejamento e das aplicações financeiras com foco no longo prazo. E aí, qual vai ser o seu próximo destino?

Se as dicas deste artigo foram úteis para você, compartilhe. Aproveite para conferir outros conteúdos do blog e aprender ainda mais sobre investimentos.

Deixe uma resposta