Como montar uma carteira de investimentos para iniciantes (e o que não fazer)

Gustavo Heldt

Pensando em montar uma carteira de investimentos para iniciantes?

Você chegou ao lugar certo.

Esse é um tema que me fascina.

Há muitos anos, a educação financeira é uma das minhas paixões, e nada melhor do que ajudar quem está começando a organizar as finanças e construir um portfólio de investimentos.

Mas, se esse é o seu primeiro passo, tenho uma má notícia.

A jornada não é curtinha, e está cheia de percalços no caminho.

OK, também tenho uma ótima notícia: esse caminho é fascinante e reserva, lá no final, um futuro muito mais confortável e tranquilo para você e toda a sua família.

Ficou interessado?

Então venha comigo aprender como montar uma carteira de investimentos para iniciantes.

E, se quiser ler com calma mais tarde, baixe nosso ebook completo:

Como montar uma carteira de investimentos para iniciantes

Aprender como montar uma carteira de investimentos para iniciantes não é tarefa simples, como expliquei na introdução do post.

Mas também não precisa ser rocket science, como dizem lá fora.

Basicamente, você tem as seguintes alternativas:

  • Você pode emprestar dinheiro para o governo federal (comprar Tesouro Direto), para os bancos (CDBs) ou para empresas (debêntures)
  • Pode se tornar sócio das melhores companhias (ações)
  • Ou pode se juntar a diversos outros investidores e entregar seu dinheiro para um profissional fazer a gestão (fundos de investimento).

O mercado financeiro é um oceano de oportunidades.

Só não vale se apavorar diante dessa imensidão, ok?

A seguir, confira as dicas de como montar uma carteira de investimentos para iniciantes:

Faça uma reserva de emergência

Se você chegou até aqui, é porque sua vida financeira está em ordem e uma parte da sua renda mensal está disponível para investir. 

Isso é ótimo.

O primeiro passo, então, é fazer uma reserva de emergência

Não há um valor exato, mas algo em torno de seis vezes seu custo de vida médio mensal é o suficiente para começar. 

Coloque esse dinheiro em um investimento seguro e resgatável a qualquer momento, como o Tesouro Selic, um CDB de liquidez diária que pague mais do que 100% do CDI ou algum fundo de renda fixa com liquidez diária (por exemplo: fundo Tesouro Selic com taxa zero. 

Comece pelo mais simples

Uma carteira de investimentos para iniciantes deve começar pelo mais simples: a renda fixa. 

Especialmente com a Selic nas alturas, não tem por que correr atrás de risco antes de compreender os tesouros dos títulos federais, bancários e corporativos.

Há diversos ativos desse tipo no mercado, como títulos do Tesouro Direto, fundos de renda fixa, CDBs, LCIs e LCAs prefixados e pós-fixados, dentre outros.

Nessa sopa de letrinhas, vale salientar: LCIs e LCAs têm isenção de Imposto de Renda.

Não são necessariamente superiores aos CDBs e às LFs, mas contam com esse diferencial que deve ser levado em conta na sua comparação de retornos.

Ah, e fique atento à liquidez dos ativos. 

Normalmente, quanto maior a duração do título e maior o risco do emissor, melhores serão as taxas.

Essas taxas são atualizadas diariamente.

Para encontrar as melhores, vale conversar com seu assessor.

Só não vale aceitar qualquer título que ele oferecer.

Faça ele justificar a seleção dos melhores e vá atrás do risco de crédito do emissor.

Além disso, vá atrás de bons fundos de renda fixa de crédito privado pós-fixado.

Há bons gestores no país que compram títulos de boas empresas, diversificam os riscos entre diversos emissores e oferecem uma rentabilidade superior à da Selic e do CDI.

Diversifique

A diversificação aqui vale para tudo: tipo de ativo, emissor, rentabilidade e estratégia.

Se você tem todos os seus títulos pós-fixados, talvez seja interessante procurar alguns prefixados (com uma taxa predeterminada até o vencimento) e alguns vinculados ao IPCA (com uma taxa predeterminada acrescida da variação da inflação oficial).

Normalmente, cada um se beneficia de um momento do mercado.

Simplificando: títulos prefixados e híbridos tendem a se beneficiar de um cenário futuro de queda de taxas de juros, e títulos pós-fixados se beneficiam da elevação das taxas.

Como você está apenas começando a investir, não vou focar em um termo que será importante no seu futuro, a marcação a mercado.

De qualquer forma, vale a pena levar isto em consideração: até a renda fixa pode ser variável quando resgatada antes do prazo final.

Encare a renda variável

Você deve começar pelo básico, mas não precisa se contentar com ele. 

À medida que aprender e ganhar confiança, turbine sua carteira com um pouco de renda variável.

Você precisa conhecer seu perfil (as corretoras e bancos de investimento pedem o suitability) para calibrar o peso entre renda fixa e variável.

Alguns especialistas dizem que o melhor teste de perfil é o travesseiro: se você está dormindo tranquilo, então sua carteira está bem equilibrada. 

Para fazer a transição com tranquilidade, uma boa opção são os fundos de investimento. 

Há fundos de ações, fundos multimercados, fundos de investimento no exterior, fundos de índice, fundos imobiliários, dentre outros, com diferentes níveis de riscos.

Para qualquer movimentação nesse sentido, não esqueça de conversar com um assessor ou consultor de investimentos de confiança.

Ele vai ter a sensibilidade de apresentar opções que vão se encaixar no seu perfil de investidor.

O que NÃO fazer ao montar uma carteira de investimentos para iniciantes

Tão importante quanto descobrir o que fazer, é saber o que NÃO fazer ao montar uma carteira de investimentos para iniciantes. 

Colocar todos os ovos na mesma cesta

Nunca é prudente aportar todos os seus recursos em um único ativo, mesmo que a rentabilidade pareça fenomenal.

Ao invés disso, escolha ativos descorrelacionados. Uma carteira diversificada é uma estratégia simples de gestão de risco.

Arriscar-se em mercados complicados

Ao montar uma carteira de investimentos para iniciantes, evite ativos complicados, como derivativos, criptomoedas, vendas a descoberto, etc.

Você pode estar colocando seu patrimônio em risco sem compreender as consequências.

Buscar resultados espetaculares no curto prazo

Não espere ficar rico amanhã às 10h15. Lucro rápido no curto prazo até é possível, mas geralmente vem acompanhado de muito risco. 

E não é isso que um iniciante no mercado financeiro deve procurar.

Principalmente nos primeiros anos, o investidor que não tiver paciência e persistência pode desistir antes da hora ou errar a mão na busca por atalhos. 

Seja paciente, tenha em mente que uma carteira consistente demanda tempo para maturar. 

Assessoria para montar carteira de investimentos para iniciantes

Se ainda está em dúvida sobre como montar uma carteira de investimentos para iniciantes, não hesite em pedir ajuda. 

Busque um assessor de investimentos para ajudá-lo a escolher os melhores produtos financeiros para seu portfólio.

O assessor não vai determinar por conta própria como será o seu portfólio, mas vai tirar todas as suas dúvidas sobre a carteira, o risco, a volatilidade, como funcionam os fundos, como funcionam os títulos, etc, e as opções que mais se encaixam no seu perfil.

Eu faço esse trabalho na DOC Investimentos, um escritório vinculado ao BTG Pactual, o maior banco de investimentos da América Latina.

Por aqui, você encontra os melhores produtos financeiros do mercado e uma assessoria de investimentos que se preocupa de verdade com os seus resultados.

Leia também estes posts exclusivos: onde investir 1 milhão de reais e onde investir 5 milhões de reais

Curtiu as dicas para montar sua carteira de investimentos? Deixe um comentário e compartilhe com seus amigos que também são iniciantes nesse novo e fascinante universo dos investimentos.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Gustavo Heldt

Gustavo Heldt

Gustavo Heldt é jornalista, especialista em investimentos, assessor e entusiasta de bons fundos e gestores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Envie suas dúvidas :)