Como investir em fundos de investimento: passo a passo

Gustavo Heldt

Quer saber como investir em fundos de investimento? Essa é uma excelente ideia. E se você está dando seus primeiros passos nesse universo, não se preocupe: investir em fundos é muito fácil.

Custo baixo, praticidade, diversificação e acesso a estratégias de grandes gestores do mercado são alguns dos benefícios.

Interessado em saber mais sobre o assunto? Então siga a leitura para descobrir como investir em fundos de investimento de maneira inteligente, mirando o longo prazo e a diversificação do portfólio.

Como é investir em fundos de investimento

Não tem mistério investir em fundos de investimento.

Eles funcionam como condomínios que agregam recursos de grupos de investidores. Assim, trata-se de uma modalidade coletiva de investimento. O objetivo é captar e investir recursos no mercado financeiro.

A dinâmica é a seguinte: cada investidor se torna um cotista do fundo e ganha com a valorização das cotas, que se beneficiam da alocação adequada dos recursos.

Uma das principais vantagens reside no fato de que, ao investir em fundos, o investidor tem acesso a gestores profissionais, que se esforçam para superar a média do mercado e são premiados pelo seu desempenho. 

Por que investir em fundos de investimento

Nos tópicos a seguir, descubra quais são os principais benefícios de investir em fundos de investimento:

Diversificação da carteira

Fica fácil diversificar sua carteira ao investir em fundos de investimento. Além de poder selecionar os fundos por classes de ativos (como fundos de renda fixa e fundos de ações, por exemplo), você também pode aplicar em fundos multimercado e de previdência, que se expõem a mais de um risco e tipo de ativo, conforme a estratégia e o mandato do gestor.

A diversificação também é facilitada pelo custo baixo, como veremos no próximo tópico.

Custo baixo

Com um fundo de investimento, você compartilha custos e taxas com outros cotistas, o que acaba tornando as operações mais baratas do que se você as fizesse individualmente, por conta própria.

Montar e administrar uma carteira de ações pode custar caro se você pagar taxa de corretagem em cada operação, por exemplo. Ao investir em um fundo de investimento de ações, porém, você paga apenas uma taxa de administração fixa, que é um percentual sobre o patrimônio total investido, e uma taxa de performance, quando o gestor superar o benchmark.

Gestão profissional

Outra vantagem é a gestão especializada. Ao investir em fundos de investimento, quem realiza a alocação de recursos é o gestor da corretora.

De acordo com as diretrizes do fundo, ele desenvolve a estratégia para os cotistas. É um benefício para quem não tem experiência no mercado financeiro e para quem compreende os desafios e dificuldades de atuar em alto nível em um ambiente extremamente competitivo.

Tributação

A tributação diferenciada é uma vantagem de muitos fundos de investimento.

Nos fundos de ações, por exemplo, você não paga IOF e paga 15% de Imposto de Renda para resgate em qualquer momento, independentemente do período de investimento.

Nos fundos de previdência privada, a tributação também pode ser uma vantagem. Ao optar pela tabela regressiva do Imposto de Renda, o investidor tem acesso à menor alíquota possível, de 10%, para retiradas após 10 anos.

Nos fundos de previdência PGBL, há ainda o benefício da dedução do valor investido até um limite de 12% do IR para quem faz a declaração completa.

Nos fundos de investimento multimercado e fundos de renda fixa, a alíquota segue a tabela regressiva, o que permite redução de custos conforme o prazo da aplicação. Em fundos de curto prazo, a tabela é a seguinte:

  • Até 180 dias: 22,5%
  • Acima de 180 dias: 20%.

Já em fundos de longo prazo, as alíquotas são estas:

  • Até 180 dias: 22,5%
  • De 181 a 360 dias: 20%
  • De 361 a 720 dias: 17,5%
  • Acima de 720 dias: 15%.

Como investir em fundos de investimento

A seguir, elencamos as principais dicas de como investir em fundos de investimento de forma descomplicada:

Entenda os tipos de fundos

Primeiro você deve conhecer os tipos de fundo disponíveis no mercado. Há várias modalidades: fundos de renda fixa, fundos multimercado, de ações, cambiais e previdenciários são alguns deles.

Além disso, é importante levar em conta que os fundos de investimento são classificados de duas formas: curto e longo prazo.

Divida o seu portfólio

Esta dica é uma continuação da anterior: dividir o portfólio de investimento em prazos diferentes.

Uma estratégia eficaz é aquela que contempla o curto, médio e longo prazo para garantir, ao mesmo tempo, uma reserva de emergência e o ganho de capital. A partir dessa divisão, escolha os fundos e ativos para cada prazo.

Use o comparador de fundos

Um comparador de fundos de investimento pode ser um grande aliado na hora de investir.

Há várias ferramentas gratuitas online com essa finalidade, em que você pode comparar fatores como rentabilidade, composição e prazo entre diferentes fundos.

Conheça os gestores

Antes de investir em fundos, outro passo importante é conhecer os gestores.

Para isso, verifique o site e os documentos do fundo, além de vasculhar o YouTube em busca de referências. Por lá, você encontra material farto, já que alguns dos principais gestores dão entrevistas rotineiramente sobre suas estratégias.

Descubra os riscos

O regulamento, o Formulário de Informações Complementares e a Lâmina de Informações Essenciais são leituras importantes.

O primeiro é um documento técnico, complexo e denso, que investidor normalmente ignora. Não é o que recomendamos.

De qualquer forma, com o Formulário de Informações Complementares e a Lâmina de Informações Essenciais, você vai entender melhor como é a gestão de riscos do fundo e a sua política de investimentos.

Por isso, é bom importante ler com atenção e ficar atento aos materiais que o fundo divulga, como os informativos mensais e as cartas semestrais.

Comece a investir

Por último, coloque as dicas acima em prática, compare os diferentes fundos do mercado e comece a investir. Para isso, não se esqueça de organizar seu orçamento pessoal e usar planilhas ou apps de consolidação para monitorar e acompanhar a performance das suas aplicações.

E aí, gostou das dicas de como investir em fundos de investimento? Se elas foram úteis para você, compartilhe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *