Como escolher fundo de investimento: guia para não errar

Afinal, como escolher fundo de investimento?

Diversos fatores devem ser analisados: tipo de fundo, rentabilidade, tributação e liquidez.

Todos essas variáveis interferem no lucro que você vai obter a partir da aplicação  — e os riscos que vai correr.

Portanto, a decisão deve ser feita com segurança.

Para ajudar no processo, elaboramos este guia completo de como escolher fundo de investimento com sucesso. Confira. 

Antes de escolher fundo de investimento

Antes de escolher fundo de investimento, você precisa entender como funciona a modalidade e avaliar se é a opção certa para o seu perfil. Para isso, siga as dicas a seguir:

Entenda o que é fundo de investimento

O primeiro passo é compreender o fundo de investimento.

Trata-se de uma modalidade de investimento coletivo que reúne um grupo de investidores cotistas.

Cada investidor adquire cotas do patrimônio do fundo e recebe rendimentos a partir do número que detém delas.

A alocação dos recursos, na modalidade, é feita pelo gestor profissional responsável pelo fundo.

Compreenda o conceito de liquidez

Liquidez é a capacidade de converter ativos em dinheiro com rapidez sem perda de valores.

Quanto mais líquida é uma aplicação, maior é a facilidade de resgatar o capital.

Antes de escolher fundo de investimento é preciso compreender esse conceito para avaliar as opções disponíveis. 

Descubra as vantagens de investir em fundos

Há várias vantagens de investir em fundos: gestão profissional dos recursos, possibilidade de investir em diferentes ativos de uma única vez, pagamento de taxa de administração única e diversificação da carteira são algumas delas.

Com esses benefícios em mente, fica mais fácil analisar se o fundo é de fato a melhor opção para você.

Investigue os tipos de fundos de investimentos

Os fundos são divididos em categorias que variam conforme a classe de ativos em que o capital é aplicado, a tributação e a rentabilidade. Os principais são:

Como escolher fundo de investimento: 11 passos

Depois de entender a modalidade, você já pode aprender como escolher fundo de investimento. A seguir, confira 11 passos essenciais nessa hora:

1. Analise sua carteira de investimentos 

A primeira dica é analisar as aplicações do fundo como se elas fizessem parte de um portfólio de investimentos.

Ou seja: você precisa verificar em quais ativos o patrimônio do fundo é aplicado e o quão diversa é a carteira.

Isso é fundamental para avaliar a rentabilidade e o tipo de fundo ideal para o seu objetivo financeiro.

2. Descubra seu perfil de investidor

Existem três principais perfis de investidor: conservador, moderado e arrojado. 

Identificar o seu perfil é uma forma de avaliar a sua tolerância ao risco e objetivo financeiro e, logo, escolher o fundo adequado. 

3. Escolha fundos para a reserva de emergência

O primeiro passo para qualquer investimento é a criação de uma reserva de emergência para evitar resgates antecipados em aplicações de longo prazo.

Quanto aos fundos, aqueles que aplicam em Tesouro Selic é uma boa opção para o curto prazo, pois apresenta riscos mínimos em caso de venda antecipada dos papéis e tem liquidez diária.

4. Investigue fundos de renda fixa

Fundos de renda fixa são aqueles que investem ao menos 80% em ativos relacionados aos juros básicos e a índices. 

Há diferentes tipos de fundos de renda fixa, alguns deles envolvendo maior risco, como aqueles que aplicam em crédito privado.

5. Vá atrás de fundos multimercado

Os fundos multimercado, por sua vez, aplicam em diversos ativos ao mesmo tempo, diversificando a estratégia e permitindo maior flexibilidade nas operações. 

Trata-se de uma opção para diversificar a carteira e obter rendimentos que, de modo geral, superam a renda fixa.

6. Conheça fundos de ações

Considere também investir em fundos de ações, que oferecem rentabilidade maior porque investem em ativos da bolsa de valores.

O risco é maior, mas pode ser minimizado em aplicações no longo prazo.

7. Use um comparador de fundos

O comparador de fundos é uma ferramenta que permite analisar a rentabilidade de fundos, desempenho histórico e taxas para escolher a melhor opção.

Antes de ingressar em um fundo, não deixe de usar um comparador  — há várias opções gratuitas online.

8. Compreenda as taxas 

Ao avaliar a rentabilidade do fundo, lembre-se de que ela já é líquida. Ou seja: nos retornos apresentados pela gestora, já há o desconto das taxas.

Mesmo assim, é essencial compreender o funcionamento das taxas de administração e de performance.

Taxas altas não são necessariamente ruins se o fundo tiver um desempenho muito acima da média. 

9. Avalie a tributação

A tributação sobre os rendimentos varia conforme o fundo.

Fundos de curto e longo prazo seguem a tabela regressiva do Imposto de Renda, com alíquotas que diminuem com o tempo.

Os fundos de ações recebem uma alíquota única alíquota de 15%.

Já os fundos de previdência têm tributação especial, podendo ser feita a partir da tabela regressiva ou progressiva.

Além disso, pode haver ou não incidência de IOF e come-cotas.

Uma vez que afeta os lucros do investidor, a tributação é um item que não pode faltar na análise.

10. Analise riscos

Conforme vimos, cada tipo de fundo tem uma estratégia específica e aplica o capital em ativos diferentes.

Logo, os riscos de cada fundo variam. Antes de se tornar cotista, avalie os riscos envolvidos no fundo para tomar uma decisão segura.

11. Comece a investir

Por fim, com todas as dicas acima em mente, comece a investir para multiplicar o seu patrimônio.

Quanto antes você começar, mais tempo o seu dinheiro vai ficar rendendo para o futuro.

E aí, entendeu como escolher fundo de investimento?

Se você gostou das dicas do artigo, compartilhe.

Deixe uma resposta